Feeds:
Posts
Comentários

Aos que seguem o Novos Urbanos: o blog A Sobrevivencialista aguarda sua visita!
O novo artigo “Aprendendo 7 lições vindas da Crise de 29” não é só para sobrevivencialistas, mas para tod@S!
Inté!
Moni Abreu

A Sobrevivencialista

“Aquele que não recorda o passado
está condenado a repetí-lo.”
George Santayana

A quebra da bolsa de valores em Wall Street, EUA, foi o ápice de um momento histórico de muitas dificuldades sócio econômicas. A Crise de 1929 na verdade iniciou-se nos primórdios da década de 20, estourou com a derrocada da bolsa e perdurou por todo o período dos anos 30. O dinheiro virou pó do dia para a noite, pois estava todo aplicado em ações que subitamente caíram e/ou guardado em bancos que se quebraram. Sem o dinheiro circulante, ocorreram muitas falências e um alto índice de desemprego, o que levou as pessoas a ficarem sem comida, sem abrigo e sem dignidade humana. Os livros de história não contam que a depressão não foi somente econômica… muitas VIDAS foram atingidas durante mais de 20 anos de penúria!

E o que se nota hoje é que todos estavam desatentos para…

Ver o post original 1.770 mais palavras

Sobrevivencialismo

A tecnologia das lanternas evoluiu radicalmente desde 1899 quando o inventor inglês David Missel conseguiu uma patente para um “dispositivo elétrico” usando as recém criadas baterias, quando ele apresentou um sistema portátil de luz ele deu início à uma revolução na iluminação. Desde então o desenho das lanternas tem apresentado progresso impressionante, mas… Como decidir qual o melhor equipamento para atender suas necessidades?

Ver o post original 3.306 mais palavras

Para quem também preza pela autonomia e sabe que o sol é para todos, recomendo conhecer os fornos do Nicolau, da Pleno Sol, de quem acompanhamos os estudos e aprimoramento de produtos desde 2010.

Pleno Sol

image

Contando com uma turbina interna que recebe energia do “PAINEL FOTOVOLTAICO PLENO SOL” para se movimentar, nesta versão o vapor superaquecido circula em alta velocidade o que acelera os preparos, em até 20%, e permite resultados surpreendentes, como o dourado no frango!

icone_USB-azulamarelo-texto
O PAINEL também pode recarregar dispositivos móveis pois tem uma saída USB com potência similar a das saídas USB do PC!
Acabamento colorido GRATIS!
Confira na loja virtual: plenosol.mercadoshops.com.br/catassol-turbo

image

Naturalmente a convecção homogeniza a temperatura interna do Forno Solar mas a tendência do ar quente e do vapor é de se acomodarem na parte superior, com a ventoinha a atmosfera interna é movimentada se chocando com as partes mais quentes do equipamento e com a superfície do alimento acelerando seu aquecimento e formando cada vez mais vapor que tem muito poder calorífico! O choque do vapor contra o alimento além de acelerar o processo permite resultados imprecionantes!

image

image

Ver o post original

Atenção, galera do RJ!

Nós do Novos Urbanos recomendamos!

A Solarize vai promover no dia 20 de março de 2016, um evento gratuito sobre a construção de ASBC, no SESC de Nova Iguaçu. O ASBC foi criado no Brasil em 2002, é prático de construir, custa quase nada e ainda ajuda a economizar na energia e poupar recursos naturais e sociais. Além da teoria você vai poder fazer um protótipo NA PRÁTICA, para reproduzir em sua casa.

Local: Rua Dom Adriano Hipolito, 10 – Moquetá – Nova Iguaçu
Horário: 9h às 15h
Inscrição diretamente com o SESC através dos contatos: Daniela Paes – daniela.rocha@sescrio.org.br – (21) 2797-3735 / 3782
Conteúdo:
• Formas de utilização da energia solar;
• Princípio de funcionamento do aquecedor solar;
• Dimensionamento do sistema;
• Prática de construção dos coletores;
• Detalhes da construção do reservatório térmico;
• Detalhes da montagem do sistema e instalação;
• Detalhes da Interligação hidráulica do sistema solar até o chuveiro;
• Operação e manutenção do sistema.

Nós do Novos Urbanos já participamos e foi muito proveitoso!

Nós do Novos Urbanos já participamos e foi muito proveitoso!

Conheça também o Facebook da Solarize!

O texto a seguir foi escrito na intenção de mostrar que ser sobrevivencialista é algo simples, que nem precisa causar tanta estranheza. Pequenos atos cotidianos conscientes, que visam a integridade pessoal e o bem estar em qualquer momento do dia, fazem o perfil de uma pessoa ser considerada como compatível com os ideais do sobrevivencialismo.

“O nascimento de uma sobrevivencialista”

biguana para sobrevivencialismo

 

 

   “A transformação pessoal deve nos ajudar a mudar da confusão para o conhecimento, da escravidão para a liberdade interior.” Mattieu Ricard

                        “Tudo deveria se tornar o mais simples possível, mas não de forma simplista.” Albert Einstein

 

Muitos foram os ideais introjetados, as técnicas aprendidas e as tantas teorias praticadas por nós em mais de dez anos de esforços. Começamos a agir conscientemente, desinternalizando vários paradigmas existenciais/mentais/culturais. Logo em seguida, partimos em busca da promoção de mudanças no nosso entorno. Para ajudar outr@s a repensar o velho e criar o novo, em fevereiro de 2007, nascia o blog Novos Urbanos.

Todos os nossos empenhos buscavam a conscientização e a autonomia. Mas isso nunca foi suficiente para nos descolarmos totalmente dessas estruturas engessantes e viciadas, tampouco tocou nosso entorno como esperávamos. Mesmo depois de tantos anos, ainda há muita coisa para ser feita. Tanto de dentro para fora, tentando ainda mudar o planeta que nos resta, quanto de fora para dentro, conscientizando-nos da dura realidade desse sombrio século para modificar nossos atos e pensares e mitigar impactos negativos de nossa existência.

Analisando friamente o que mudou nos últimos 100 anos da humanidade, percebemos que o mundo, que já não estava bom, de 2010 para cá deu um salto… para o abismo. Temos certeza que a queda vertiginosa prossegue vigorosa. A cada novo produto industrializado/comercial de TV ou mercado/shopping center que surge, a produção sempre escalonável e o consumo desenfreado, dupla inseparável, mantém a ideologia que promove a extorsão dos recursos da terra, que é de todos, em prol da riqueza de meia dúzia (que não vão parar de destruir até que os bens verdadeiros se acabem, ou seja, até o fim de TODOS nós!). Percebemos finalmente que estávamos num trabalho de Sísifo: empurrando e empurrando para cima todo o peso da tentativa de mudar o mundo para ver tudo descer ladeira abaixo a cada peteleco… É tanto desacerto que nem sabemos para que lado vigiar!

Chegamos à tardia conclusão de que o planeta terra está cheio daqueles humanos que a Experiência de Milgram revelou ao mundo há 55 anos: ignóbeis, tolos, embotados, subjugáveis, perversos. E como bem escreveu a Eliane Brum “nascemos gente – mas só nos tornamos pessoas se fizermos o movimento”. Infelizmente 99% da população acha que pensar dói e fica lá, sentada no sofá de frente para a televisão, se programando para ser o que Milgram constatou. Acreditam que isso cansa menos.

Sabe a expressão de ordem “seja a mudança que você quer ver no mundo”? Esse não é (ou nunca foi) um lema muito prático, já que é totalmente subjetivo. Talvez tenhamos nos detido tempo demais em frases de efeito, palavras de ordem vazias ou assuntos que já nasceram evasivos. Afinal, toda resolução de grande porte, no fim das contas, está à mercê da luxuriante prevaricação de humanos doentes, justo aqueles que estão em situação de poder e superioridade (política ou corporativa), infelizmente.

E foi assim que perdemos o foco do óbvio: não há mais um mundo a salvar. O mundo que achávamos que conhecíamos, esse mundo que nunca nos pertenceu e que agora não nos sentimos mais pertencentes a ele, esse mundo acabou. Convenhamos, tudo o que podia ter dado errado, DEU ERRADO (obrigada, Murphy!). Mesmo que existam seres iluminados e incríveis ainda batalhando por aqui, o ponto de mutação ficou num futuro do pretérito. E agora, como será possível sobreviver num mundo que resiste às mudanças necessárias?

Sim, sobreviver… Talvez seja isso o que importa: resistir aos efeitos nefastos de todos os desacertos já perpetrados nos últimos dez, senão cem anos de civilização…

Pensando nisso criamos para nós outro rumo, uma guinada de 180º. Vamos trazer nossos conhecimentos, nossas técnicas, nossas habilidades, novamente para o micro, para nós mesmos, fugir das estruturas sistemáticas e simplificar ainda mais a vida, para uma tentativa de auto salvação. E o marco dessa guinada começa aqui, com este post.

Resta-nos assumirmos publicamente, para ciência dos que nos seguem todos estes anos, que somos a partir deste ponto despretensiosamente apenas neourbanóides sobrevivencialistas.

Tens a manha? Ainda não? Então vem com a gente!

 

 

Meu otimismo está baseado na certeza que esta civilização vai desmoronar.
Meu pessimismo em tudo aquilo que ela faz para arrastar-nos em sua queda.
Jean-François Brient e Victor León Fuentes, no documentário De la Servitude Moderne

“So take a deep breath,
pick yourself up,
dust yourself off,
and start all over again.”
Dorothy Fields

#comosobrevivernummundoqueresisteàsmudanças

O dia em que a Terra escapou de uma tempestade solar extrema

Como seria o Rio de Janeiro após uma tempestade solar extrema?

 

_____________________________________________

Texto original de Moni Abreu

Niterói, 02/03/2016

 

Desde aquele dia de verão em que o fruto caiu na terra, houve a espera. Tempo, tempo, tempo.

Com preguiça a semente agora acorda. Um futuro de tamarindo a espera. Do fruto á semente, da árvore ao fruto, e a vida vai em ciclos.

Feliz ano novo. Agora 2016 já pode acontecer. Vamos ao futuro que nos espera!

tamarindo

_________________________________________________________ Foto-conto de autoria de Moni Abreu, postado originalmente no INSTAGRAM

 

%d blogueiros gostam disto: